Os pescadores artesanais de São Sebastião da Boa Vista sofrem para terem o direito ao seguro-defeso através da colônia e associações de pescadores locais.

Além de terem de ficar “bajulando” esses dirigentes representativos pra conseguirem a tal da “Declaração” de que exerceram a função no período do defeso, quando conseguem este DIREITO e pensam que a tortura acabou, vem a última fase do tormento, que é a hora de se deslocar a Belém para receberem os 04 salários mínimos ( R$ 2040,00).
Ontem, o blog esteve na agência da CAIXA (foto), para cobrir este tormento. A cena dantesca, não nos foi permitido o registro fotográfico.
Além da falta de instalações para se acomodarem, os trabalhadores ou esperavam do lado de fora ou sentavam no chão da agência e aguardavam.
Se a SEAP e o MTE concedem o tal seguro, fraudulento ou não (não nos compete julgar) deveriam ter a obrigação de mandar alguém fiscalizar como os trabalhadores estão sendo tratados pela CAIXA.
Por outro lado, a Colônia Z-36 e as associações de pescadores ( agora espalhadas pelo interior do município) também poderiam fornecer auxílio a seus associados e ou colonizados.
Na edição de Junho de ” O Boavistense” ( 16/06) vamos começar a provocar este debate.
Qual a verdadeira utilidade desta colônia e agora das co-irmãs associações? , se nem é mais obrigatótrio ao trabalhador estar vinculado a estas entidades ?

Trabalhadores, UNI-VOS !!!