Uma das expositoras é a agricultora Júlia Serrim, 54 anos, do município de Portel, na ilha do Marajó. Ela levou ao congresso a farinha que produz e que, há 15 anos, é a única fonte de sustento da família.

Autoridades, cientistas, empresários e produtores rurais participaram, na noite desta segunda-feira (12), no Hangar Convenções e Feiras da Amazônia, da abertura do XVII Congresso Brasileiro de Mandioca e do II Congresso Latino-Americano e Caribenho de Mandioca, os dois mais importantes eventos voltados à mandiocultura no Brasil e no continente, que ocorrem pela primeira vez no Pará. Na ocasião, o Governo do Estado lançou o Pró-Mandioca, que envolve diversos órgãos de fomento e assistência técnica, com a meta de alavancar a produtividade paraense em pelo menos 33%.
 Uma das expositoras é a agricultora Júlia Serrim, 54 anos, do município de Portel, na ilha do Marajó. Ela levou ao congresso a farinha que produz e que, há 15 anos, é a única fonte de sustento da família. “Sempre participo do Congresso Brasileiro de Mandioca, para conhecer as novidades sobre o cultivo e aprimorar a gestão do meu negócio. Eu e as 15 famílias da nossa comunidade recebemos total apoio da Emater (Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Pará), sem a qual muitos dos nossos avanços não seriam possíveis”, contou.

Portel produz a melhor farinha da Ilha do Marajó.

Maior produtor brasileiro de mandioca, com cinco milhões de toneladas por ano, em uma área plantada de 300 mil hectares, o Pará vive o desafio de substituir a defasagem tecnológica por novas técnicas, que incluem mecanização, uso de mudas mais resistentes a intempéries e doenças, adaptadas à região, e a substituição da chamada roça de toco, mais agressiva ao solo, por plantios sustentáveis. A produção está presente nos 144 municípios paraenses e serve, basicamente, para subsistência. Uma cadeia produtiva que envolve, do plantio à comercialização, cerca de 300 mil pessoas. São agricultores, atravessadores e comerciantes, que juntos movimentam R$ 1 bilhão na economia local por ano.

Continue lendo….