Manoel do Socorro Tavares Pastana é autor do livro autobiográfico, De Faxineiro a Procurador da República, membro do Ministério Público Federal (MPF), instituição na qual ingressou no ano de 1996, no cargo de Procurador da República, por meio de concurso público de provas e títulos. Em dezembro de 2003 foi promovido a Procurador Regional da República (segunda instância). Atualmente está lotado na Procuradoria Regional da República da 4ª Região (www.prr4.mpf.gov.br), oficiando perante o Tribunal Regional Federal da 4ª Região, que tem jurisdição sobre os estados do Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina.
 Atuou como procurador da República (primeira instância) em Campos dos Goytacazes/RJ, Brasília/DF, Rio Branco/AC e Macapá/AP, onde chefiou a Procuradoria da República por quatro anos, bem como foi Procurador Regional Eleitoral pelo mesmo período.

Antes de chegar ao cargo de procurador da República, foi faxineiro, vendedor de livros, soldado, sargento especialista de aeronáutica, oficial de Justiça do Superior Tribunal de Justiça e procurador federal do INSS.
Todos os cargos públicos foram conquistados por meio de concurso, exceto o de soldado, cujo ingresso deu-se em razão de seleção no serviço militar obrigatório.

Educação

Foi reprovado na terceira série do primeiro grau (ensino fundamental) porque não se interessava pelos estudos. Após a reprovação, adquiriu o hábito da leitura e passou a dedicar-se aos estudos. Nunca mais reprovou no ensino regular. Concluiu o primeiro grau aos 17 anos de idade, quando se mudou para Brasília, no início de 1980.
 Na quinta tentativa, passou no concurso para ingresso à Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAER) que, na época, exigia apenas o primeiro grau. No final de 1984, formou-se sargento especialista de Aeronáutica, na especialidade de Comunicações.

Aos 24 anos de idade, concluiu o segundo grau (ensino médio) em curso supletivo público. Pouco tempo depois, ingressou na faculdade de Direito, trabalhava durante o dia e estudava à noite. Concluiu o curso superior aos 30 anos.
 No primeiro concurso público de nível superior, realizado logo após o bacharelado em Direito, passou em primeiro lugar, a mesma classificação obteve no concurso seguinte. Todavia, quando participou de concursos que exigia prova subjetiva e oral, sofreu seguidas reprovações. Após direcionar os estudos também para esse tipo de prova (antes treinara apenas para provas objetivas), logrou aprovação em primeiro lugar para concurso bastante disputado. A última aprovação foi para procurador da República.

Trabalho

Manoel Pastana sempre se dedicou com afinco a tudo o que faz. Quando trabalhava como faxineiro, dizia que gostava de deixar “um espelho” o piso da padaria na qual trabalhava.
A mesma determinação para o trabalho que tinha na vida particular (começou a trabalhar ainda na infância, vendendo salgados feitos pela mãe) levou para o serviço público. Assim o fez na Aeronáutica, Superior Tribunal de Justiça, Procuradoria Federal do INSS e no Ministério Público Federal, onde se destacou combatendo a corrupção, obtendo condenações inéditas.

Fonte: ITS