A operação Itajupurá 4 sob comando da Dioe (Divisão de Investigações e Operações Especiais), por meio da Delegacia Fluvial, divulgou na tarde de hoje (6) a apreensão de 5 mil litros de combustível próximo aos municípios de Breves e Gurupá, no arquipélago do Marajó, sendo 4,6 mil litros de óleo diesel e 400 litros de gasolina.
A polícia efetuou duas prisões e indiciará três suspeitos. Adelson Monteiro Pereira está preso na comarca do município de Breves, Raimundo Coelho Magno Neto foi detido em Muaná, mas liberado sob fiança. Já os irmãos Erivaldo da Silva Ferreira, Erivan da Silva Ferreira e o pai Oswaldo Sampaio Ferreira serão indiciados. Os três já fizeram parte de um esquema desarticulado pela polícia em 2011 na operação Itajupurá 3, que apreendeu 30 mil litros de gasolina.
Outro acusado, José Orlando Lobato Serrão, foi liberado após assinar um TCO (Termo Circunstâncial de Ocorrência). A polícia investigará a participação de funcionários de empresas de embarcação nos crimes. Eles podem estar facilitando a ação de quadrilhas especializadas nesse tipo de roubo.
Segundo o delegado Dilermando Dantas, da Dioe, o objetivo das operações é combater a pirataria e o roubo de combustível nos rios paraenses. Ele explicou que o combustível apreendido provavelmente foi desviado de embarcações. “A maioria dos roubos é feito através de abordagem de quadrilhas”, contou o delegado.

ITAJAPURÁ
O nome “Itajupurá”, escolhido para denominar as operações feitas pela Dioe em parceria com a Delegacia Fluvial, refere-se ao principal rio que liga o rio Pará ao rio Amazonas.
O delegado Dilermando informou que os 30 mil litros de combustível apreendidos pela operação Itajupurá 3, em 2011, foram todos desviados de embarcações da empresa de navegação fluvial e lacustre Reicon (Rebelo Indústria Comércio e Navegação), sendo quase todo o volume roubado do ferry boat “José Humberto”, embarcação oferecida à imprensa pela Paratur (Companhia Paraense de Turismo), em 2011, para o acompanhamento da romaria fluvial do Círio de Nazaré.