Trago ao palanque excelente comentário deixado na caixinha do post ” E agora Gegê ? ”

Há que pontos chegamos!!!!
E o mais lamentável, que nessa disputa de “cordas” entre situação e oposição, não importa quem vai ganhar, pois será o povo que vai cair na “lama”.
São ofensas morais, pessoais, campanhas em letras garrafais….e tudo mais “baixo” que existe no ser humano na disputa pelo poder.
Todos sabemos:”conhecemos o homem, quando lhe damos poder”.
Então, todos os que já passaram e os que estão no poder “maior” de nossa SSBV, já demonstraram que seus interesses são estritamentes pessoais. Inventam convenções, convênios, reuniões, projetos…e blá-blá. Mas, o que sai na verdade é o superfaturamento das obras públicas, é o posto odontológico no interior que não existe, é a reforma “maquiada”, é as horas-extras, viagens pagas pelo povo aos nossos queridos vereadores, são as convocações extraordinárias(isso dá dinheiro sabiam?)…e todo o tipo de IMPROBIDADE que os agentes públicos, concessionários, e terceirizados podem cometer.

E quem paga o pato? o Povo…nossa humilde e ex-pacata população de SSBV.
Mas, oh! já sabemos.
As promessas serão as mesmas; Os discursos idem:
“Povo boavistense, vamos restaurar o orgulho de nossa cidade, tão ferido nos últimos acontecimentos, e eu garanto que iremos implantar o verdeiro progresso boavistense, vamos cuidar de nossas crianças…………..”
O resto vocês já sabem.
São rabiscos de uma tragédia anunciada.
E quem pode mudar? Boa pergunta, sem resposta.
Pois, a convicção de cada habitante boavistense é que vai decidir, sendo que temos o direito de voto, e somente o exercemos na eleição, esquecemos que nos quatro anos seguintes podemos buscar meios e mecanismos capazes de exigir que aquele cidadão que nos representa, haja de maneira correta, utilize os recursos públicos públicos nas prioridades e de forma licita.
MPF, MP/PA, TCM, POLICIA, 181……e outroa meios, de denunciarmos ou cobrarmos a fiscalização.
Parece utópico. Será?
Enquanto isso, vou me embalar na rede, o por-do-sol de SSBV é lindo.T.á.