Os municípios do lado de cá do Marajó ( aquele das mazelas sociais e que a Globo não mostra) estão padecendo com a insegurança e o avanço galopante do tráfico de drogas. Hoje, assaltos estão acontecendo a luz do dia em municípios que até recentemente as pessoas dormiam com as janelas abertas.
O municípios de Breves e Portel (os dois maiores da Ilha) com IDH, PIB e renda per capta de municípios paupérrimos, vivem com índices de violência dignos de megalópoles.
O desemprego (ou sub-emprego), a falta de inclusão sociocultural de jovens e adolescentes e a ausência do estado, são fatores preponderantes para a situação caótica que os municípios vivenciam.