O Colegiado de Secretários Municipais de Saúde do Estado do Pará – COSEMS/PA se manifesta a respeito de matéria veiculada por meio de jornal de grande circulação do Estado a respeito de casos de malária em Municípios da Região do Marajó. O COSEMS/PA tem discutido com a Secretaria Estadual de Saúde – SESPA formas de parceria para implementação de ações e serviços de saúde que objetivem a diminuição e controle da malária no estado, e não está de acordo com as afirmações que imputam aos Municípios a responsabilidade única pelos surtos registrados na Região do Marajó e do Baixo Tocantins.É importante registrar que o custo das ações de campo são altos e é de conhecimento de todos que, das Unidades Federativas, os municípios são os que mais investem na área de saúde sempre ultrapassando o mínimo constitucional de 15% (quinze por cento). Ressaltamos ainda que os casos de malária não podem ser atribuídos exclusivamente à deficiência da Estratégia de Saúde da Família ou à baixa cobertura de Agentes Comunitários de Saúde nos municípios, uma vez que a área os onde os surtos de malária acontecem possuem baixa densidade demográfica.
É fundamental afirmar que os municípios têm adotado como alternativa a contratação de microscopistas e de agentes para atuarem exclusivamente no combate às endemias. Ressaltamos também que os municípios não concordam com ações de “força tarefa” isoladas, que não estejam inseridas em uma programação permanente, sendo realizadas conjuntamente com as Coordenações de Vigilância dos Municípios. Fonte: Secretaria Municipal de Saúde de SSBV