Em assembleia nesta quarta-feira (29), professores decidiram entrar em greve (Foto: Jocinaldo Miranda)

Professores municipais de Limoeiro do Ajuru, nordeste paraense, entraram em greve por tempo indeterminado nesta quarta-feira (29). A categoria denuncia que a prefeitura se nega a pagar diversos direitos como 15% de recesso remunerado, 10% de magistério, 2% de tempo de serviço e 25% de hora atividade. O G1 aguarda posicionamento da Prefeitura de Limoeiro do Ajuru.
 Os professores também reivindicam alimentação escolar de qualidade, transporte escolar, construção e reformas de escolas, falta de técnico pedagógico nas escolas e reformulação do PCCR. O vice-presidente do Sindicato dos Servidores Públicos de Limoeiro do Ajuru (Sindisplia) Adelson Pinheiro disse que os docentes grevistas estão recebendo todo o apoio do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Pará (Sintepp) para a greve.
 Os professores entraram em estado de greve no último dia 24 e em greve definitiva nesta quarta-feira. “Entendemos que os nossos direitos não estão sendo respeitados pela atual gestão”, diz o professor Jocinaldo Miranda.
 “Antes de entrar com essa greve, foi feito um estudo e constatamos que a prefeitura está gastando com o que não é para gastar e por isso não tem dinheiro para pagar os professores. É que a educação não está sendo prioridade para eles”, denuncia o professor. “Eles contrataram muitos temporários que são cabos eleitorais da atual gestão”, diz.
 Atualmente o município possui quatro escolas municipais, entre elas uma creche. Ainda segundo o Sindisplia, 80% dos professores aderiram à greve. A assembleia da categoria realizada nesta quarta-feira contou com 300 professores.

Fonte: G1