Por: (*) Hilda Regina Medeiros
Saudade é um sentimento competente…
Talvez o mais competente de todos.
O Amor se instala, se realiza, se aprisiona e se desmaterializa.
A Amizade, idem… mas sem muita pretensão de TER, apenas SER.
O Ódio é avassalador, mas precisa de eco para sobreviver…
A Saudade não… e por isso maltrata!
Sentir a ausência de algo ou de alguém é fácil e um ato corriqueiro,
Mas não é Saudade…
Saudade é sentir antes de ver, viver antes de nascer…
Saudade é a fênix da vida.
Quando se sabe que nada mais se poderá fazer, ela mostra que resta sentir…
Quando se pensa que já se esgotou tudo o que se pode sentir, ei-la…
Enfim, quando se acredita que nada mais fará a dor aumentar, ela faz a lágrima escorrer…
É… Saudade é isso!
Saudade de mim… De ti… De nós…
Até os nós da saudade são mais belos, mais cegos, mais apertados e mais… Mais!
A saudade pode parecer para um observador desatento
Como uma grave ameaça a própria felicidade…
Ledo engano… É o contrário!
Saudade é apenas um jeito da alma mostrar ao corpo
Que viveu…
Que sorriu…
Que sofreu…
Que lutou…
Que quedou…
Mas, principalmente,
Que o AMOR venceu!
*Hilda Regina Medeiros, Advogada, Belém, Pará, Amazônia, Brasil. Escrito em Dezembro/2007