Quantas vezes já ouvimos falar nas famosas “inclusões”. Tem a digital, a social, a ambiental, a cultural e outras mais… O projeto ” EU FAÇO CULTURA” dos funcionários da CAIXA, estará em Belém neste fim de semana. Oficinas serão ministradas no decorrer da semana e culminará em um show com Nando Reis e os “Infernais”.

Agora veja voçê:
Este projeto é financiado pela lei Rouanet de incentivo à cultura, que destina parte ( 6%) do imposto de renda pessoa física( de funcionários da CAIXA e contribuintes individuais + parte do imposto de renda pessoa jurídica da CAIXA SEGUROS E DA BRASIL TELECON) para o projeto, então, a cobrança é pelo menos absurda. Incluir um indivíduo à cultura e aos seus mecanismos, precisa de sensibilidade, não só de iniciativa.
Se os organizadores precisam “cobrar” pelo o ingresso ao show de encerramento do projeto, por agendarem a apresentação em um espaço luxuosíssimo como o HANGAR, deveriam fazê-lo em praça pública e não cobrar nada. ( abaixo e-mail enviado aos organizadores)

Caros amigos,Muito boa a iniciativa dos funcionários da CAIXA, ao implementarem políticas de inclusão cultural no país.Porém, cobrar R$ 30,00 para o ingresso no show de encerramento do projeto é demais.A realidade do povo daqui de Belém é outra, nada parecida com as dos grandes centros.Que tal uma pesquisa sobre o assunto antes de escolherem uma cidade para apresentação do projeto?

Seria bom rever esta cobrança, afinal de contas pelo que sei, é dinheiro público investido neste projeto, por isso, a cobrança é indevida.