Uma mulher que vinha aplicando golpes na ilha do Marajó, no Pará, foi presa por policiais civis, da Superintendência Regional dos Campos do Marajó. A prisão foi realizada, em Soure, em decorrência da emissão de mandados judiciais de busca e apreensão e de prisão preventiva para apurar crimes contra beneficiários do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), do Ministério da Previdência. A coordenação da ação policial foi do delegado Felipe Schmidt, de Soure. A acusada é Nêmora Engelhard Silva Santos. O policial explica que desde setembro de 2008, a Polícia Civil investigava crimes cujas vítimas eram beneficiários do INSS. A maioria deles eram pessoas idosas. As investigações apontaram que as práticas criminosas são realizadas nos municípios de Santa Cruz do Arari, Cachoeira do Arari, Salvaterra e Soure, na ilha do Marajó. A acusada muitas das vezes identificava-se como ‘Ana’. As apurações revelaram ainda que a acusada mudava a forma de agir para aplicar o golpe.
Diante das apurações, o delegado solicitou à Comarca Judiciária de Soure, a quebra de sigilo bancário, mandados de busca e apreensão e de prisão preventiva. As ordens judiciais foram autorizadas pela Justiça e cumpridas, no último dia 6, pela equipe formada pelo delegado Felipe junto com o investigador Sobral e o escrivão Altino. Na casa de Nêmora, os policiais apreenderam documentos em nome de pessoas idosas, como carteiras de identidade, de trabalho, cartões de crédito, alguns com o número da senha e a quantia de R$ 600,00. Em depoimento, a acusada confessou que estava sob posse dos cartões e que retirava os valores do benefício de vítimas.
A mulher foi presa em flagrante e conduzida à Superintendência Regional dos Campos do Marajó, para ser autuada pelo crime de furto mediante fraude. Outros mandados de busca e apreensão foram cumpridos na quinta-feira, pela equipe do delegado Felipe e investigadores Alves, Sobral, Clovis, escrivão Marcos e perito papiloscopista Valente. Os agentes apreenderam documentos e um computador com arquivos das vítimas. O equipamento foi enviado para perícia.
Os policiais apreenderam documentos de vítimas no escritório da firma ‘SOS, Auxílio Financeiro’ e na casa da gerente do escritório, conhecida por Shirley.

FONTE: Portal ORM