O governador Simão Jatene e o secretário de Estado de Saúde Pública, Helio Franco, se reuniram com o comandante do IV Distrito Naval, vice-almirante Ademir Sobrinho, nesta quinta-feira (8), para dar continuidade ao convênio firmado entre Marinha e governo do Estado, para utilização do Navio Auxiliar (NA) Pará.



A embarcação, que dispõe de diversos equipamentos para a realização de exames médicos, presta atendimento à população ribeirinha, com ações sociais e de saúde, organizadas pelas secretarias de governo. Segundo o vice-almirante Ademir Sobrinho, será elaborado um plano de trabalho, para que sejam definidas as áreas de atuação do navio, contemplando novos territórios.
O convênio entre Marinha e Governo do Pará foi firmado em 2004, e anualmente é elaborado um novo plano de trabalho, possibilitando maior abrangência dos serviços prestados aos ribeirinhos. “O plano está sendo elaborado, e é basicamente uma repetição dos planos anteriores. O governo do Estado indica as ações e a Marinha fornece o apoio logístico”, explicou.
Mamografia – O Navio Auxiliar Pará dispõe de uma excelente estrutura de consultórios, equipamentos médicos e odontológicos, além de um mamógrafo, utilizado na realização de mamografias, exame fundamental para o diagnóstico de câncer de mama. Além dos atendimentos na área de saúde, as ações também oferecem auxílio social e jurídico aos ribeirinhos.


A embarcação foi incorporada à Marinha do Brasil no dia 19 de janeiro de 2005, para desempenhar, de forma compartilhada, tarefas relacionadas à defesa social, nos campos da segurança pública, proteção social, ensino e pesquisa, nas localidades próximas às margens dos rios e ilhas fluviais paraenses. Também é utilizado no transporte e desembarque de tropas na região amazônica.
O NA Pará possui 56,10m de comprimento, atinge a velocidade de 11 nós, comporta uma tripulação de sete oficiais e 59 praças, e pode transportar até 175 militares ou civis. Desde que foi incorporado à Marinha, o navio vem cumprindo diversas missões de transporte de tropas de fuzileiros navais e do Exército Brasileiro, além de prestar assistência às comunidades ribeirinhas da Amazônia.

Fonte: Portal Marajó