Os relatos são da sobrinha de uma passageira que passou horas com 20 piratas fortemente armados na embarcação que ia de Anajás, no Marajó, para Belém.

“Assalto no barco cobra sete . Gente levaram tudo. Até os documentos da minha tia que ia pra consulta. Alguns homens apanharam, mulheres e crianças não sofreram violência. O assalto durou muito tempo. Poucas coisas foram escapadas. Minha mãe ficou sem nada. Mas ficou com vida. Meu irmão já está com ela e minha tia. Me preocupa os outros porque ninguém tem nenhum centavo. Vamos ajudar nossos amigos e parentes. É um momento de solidariedade.
Via Ângela Paixão”