A 39 ª edição do Anuário do Pará traz informações dos municípios de Portel, Afuá, Muaná e Melgaço. Com o patrocínio da empresa Vale, os fascículos – publicados toda quarta-feira em O LIBERAL – informam sobre a origem, a cultura e a história dos 143 municípios do Estado.
O primeiro município apresentado pelo periódico é Portel. Originado da aldeia de Açuriuns, até hoje conserva traços indígenas. Por volta do século XVII, a vila foi catequizada pelo padre Antônio Vieira, que trouxe para a aldeia vários índios Nheengaíbas. Em 1933, a localidade foi elevada à condição de município. Porém, em 1988, sofreu um desmembramento para a criação do Município de Pacajá.
No mês de fevereiro, Portel entra em festa em celebração à padroeira do local: Nossa Senhora da Luz. O município também é destaque pelas festas folclóricas, com apresentações de boi-bumbá e de quadrilhas juninas.
O Anuário mostra ainda Afuá, a ‘Veneza Marajoara’. Conhecida também como a terra do camarão, a cidade se transforma no mês de julho para o ‘Festival do Camarão’. Já Anajás teve origem em 1846, através do desbravamento e colonização pela pioneira Micaela Arcanja Ferreira. Foi elevado à categoria de município em 20 de agosto de 1890.
Os leitores também podem conhecer um pouco de Muaná, um dos mais movimentados municípios do Marajó, um dos primeiros municípios paraenses a reinvindicar a emancipação de Portugal.
Muaná conta há dois anos com a Universidade Aberta do Brasil, a qual dispõe de três cursos superiores. O município, assim como Afuá, também celebra o ‘Festival do Camarão’. Além do Festival, Muaná também promove as festividades de São Francisco de Paula – padroeiro da cidade – São Benedito, São Sebastião e de Nossa Senhora de Nazaré.
A 39ª edição do Anuário é encerrada pelo município de Melgaço, uma das localidades mais tranquilas do Marajó. Com nome advindo da cidade homônima de Portugal, Melgaço se desenvolveu e se sustenta até hoje da exploração do látex. Atualmente, no entanto, a cidade tem outras fontes significativas de sustento, como o açaí, palmito, castanha-do-pará, dentre outros.
Melgaço tem uma cultura folclórica peculiar, a exemplo da dança do Japiim, famosa na região. No mês de junho, as quadrilhas e bois-bumbás atraem turistas para a região.