A partir de junho, quem deseja receber o auxílio emergencial – e que ainda não se cadastrou – vai poder fazer o cadastro pelas agências dos Correios.

Esse novo canal foi pensado para ampliar o acesso ao benefício, principalmente para quem não tem acesso à internet ou mesmo não tem afinidade com essa ferramenta.

A data de início do atendimento pelas agências postais ainda não foi definida. Mas em nota, os Correios esclareceram que está em processo de adaptação dos sistemas para realização do serviço e que todos esses detalhes de quando começa a atender e de que forma a população terá acesso a esses serviços serão amplamente divulgados pelos canais oficiais da empresa.

Tem direito a receber o auxílio emergencial os trabalhadores informais, microempreendedores informais, autônomos e desempregados. Ou que pertença a família em que a renda mensal por pessoa não ultrapasse meio salário mínimo, R$522, ou que a renda familiar total seja de até 3 salários mínimos o que corresponde a R$3.135.

Os que se enquadram nessas regras e não estão cadastrados no MEI – Microempreendedor Individual e nem no programa Bolsa Família, terão de fazer o cadastro pela internet no endereço: auxilio.caixa.gov.br ou pelo Aplicativo Caixa – Auxílio Emergencial.

Atualmente o valor pago é de R$600, e em casos específicos, como de mãe solteira chefe de família, pode chegar a R$ 1,2 mil. É importante lembrar que esse auxílio emergencial é um recurso destinado a ajudar a amenizar os impactos da crise causada pela pandemia do novo coronavírus e será pago a quem tem direito durante três meses.

Até o último sábado, dia 23 de maio, a Caixa Econômica Federal pagou duas parcelas do benefício, que somadas, chegaram a um total de R$60 bilhões.

Mais de 55 milhões de pessoas receberam a primeira parcela, enquanto a segunda parcela alcançou 30 milhões de beneficiários.

 

Fonte: EBC